• Home  /
  • Destaques   /
  • Questões emocionais podem atrapalhar o aluno na prova prática do Detran. O que fazer?
Questões emocionais podem atrapalhar o aluno na prova prática do Detran. O que fazer? instrutor_pratico-min Full view

Questões emocionais podem atrapalhar o aluno na prova prática do Detran. O que fazer?

Questões emocionais podem atrapalhar o aluno na prova prática do Detran. O que fazer?

 

 

Como os instrutores e os CFCs podem ajudar os alunos que apresentam esses comportamentos na prova prática do Detran? Leia a matéria!

Muitos instrutores relatam ao Portal do Trânsito que cada vez mais as questões emocionais dos candidatos à primeira habilitação influenciam no resultado final da prova no Detran.

Na maioria dos casos a ansiedade elevada, o medo e até sintomas de depressão são percebidos pelos instrutores.

Mas, a questão é: como os instrutores e os Centro de Formação de Condutores – CFCs podem ajudar os alunos que apresentam esses comportamentos?

De acordo com Márcia Pontes, especialista em trânsito e em Inovação Pedagógica para o ensino da direção veicular, essa ajuda pode acontecer a partir da especialização desses profissionais. Eles podem buscar mais conhecimento para atender também as demandas emocionais dos alunos como depressão, síndrome do pânico, síndrome de ansiedade generalizada e outras manifestações não patológicas de ansiedade e medo durante a aula. Esse diferencial pedagógico é que vai valorizar o instrutor que acompanha as demandas do mercado.

Perfil emocional dos alunos

De modo geral, o perfil emocional dos alunos que chegam aos CFCs para tirar a primeira habilitação é caracterizado pelo medo natural do novo. Em outras palavras, de aprender algo que nunca fizeram antes.

“Tem esse medo natural do que é novo, ansiedade de querer aprender logo. Além do nervosismo por ter de fazer muitas coisas ao mesmo tempo em pouco tempo. O modelo linear de ensinar baseado na decoreba de pontos e de movimentos faz com que o emocional fique mais comprometido. E isso acontece porque o aluno não sabe o que está fazendo. Ele repete sem muitas vezes entender o significado e a consequência do que está fazendo”, justifica Pontes.

Marcia detalha ainda que o medo, a ansiedade e o nervosismo se manifestam para todos, sendo os homens e os jovens saindo da adolescência, os mais audaciosos, pois, muitos já tiveram contato com a moto ou carro antes. “Alguns até demonstram um comportamento desafiador com o instrutor, mas não são todos”, ressalta.

Já as mulheres jovens, na faixa etária desses homens, tendem a ficar mais receosas e a serem mais cautelosas, até porque, muitas não têm esse contato que os homens têm com os veículos, acrescenta.

Enquanto as mulheres acima dos 60 anos tendem a fazer as coisas de forma mais lenta. Algumas precisam que repita a explicação e que a comunicação seja mais direta.

“Mas, no geral, todos precisam de exercícios emocional como o de respiração diafragmática para ficarem menos tensos antes, durante e depois das aulas”, assegura.

Impactos positivos e negativos no aprendizado

O relacionamento entre o instrutor e o aluno é fundamental para aprender: comunicação clara, direta, um deixando bem claro o que espera do outro.  Além disso, a especialista garante que se os alunos encararem as dificuldades com a naturalidade de quem aprende algo novo e entenderem que o estresse os deixa mais ativos, mais atentos e concentrados, desde que eles mantenham o foco nas aulas, eles conseguiriam aprender mais facilmente.

Marcia pontua ainda que o medo, a ansiedade e o nervosismo podem aumentar se o aluno for cobrado demais por coisas que ele tem dificuldade de aprender. E para as quais o instrutor não apresenta outras formas de se fazer por meio de exercícios específicos que o aluno pode fazer até com o carro desligado.

Segundo ela, deixar uma pessoa hipertensiva nervosa demais nas aulas, por exemplo, pode detonar um gatilho de hipertensão ou até mesmo de AVC dependendo do caso se tiver outras comorbidades.

Gritar ou falar mais áspero com um aluno nervoso, puxar o volante, repreendê-lo fortemente também não o ajuda a aprender.

“A memória de trabalho desse aluno já está ocupada com ansiedade e ele não consegue ficar atento, se concentrar e manter o foco. Portanto, o instrutor nunca deve dizer a um aluno que ele não consegue, que ele não é capaz, que desista de dirigir. Todos aprendem: uns mais rapidamente do que os outros. O principal é ter a consciência de que os nossos alunos aprendem e muito depende do modo como nós os ensinamos”, assegura.

Desenvolvendo as habilidades emocionais

Uma forma de os CFCs poderem ajudar esses alunos a desenvolverem suas habilidades emocionais não apenas para fazerem boa prova do Detran, mas, para serem bons motoristas no dia a dia é disponibilizando aos alunos, já na matrícula, um questionário para conhecer o perfil emocional de cada candidato. “A pesquisa deve conter perguntas para saber se o aluno faz uso de medicação controlada. Além disso, como reage em situações sob pressão e se já se envolveu em acidentes antes como carona ou motorista, pois, alguns já tentam aprender a dirigir antes de entrar no CFC e se envolvem em acidentes”, destaca.

Outro ponto importante, segundo Marcia Pontes, é saber se o aluno tem diagnóstico médico de depressão ou outro tipo de tratamento com psicólogo ou psiquiatra. “Essa informação pode ajudar a conhecer melhor o perfil desse aluno e respeitar os seus limites emocionais. Uma possível sugestão é os CFC convidarem profissionais como psicólogos e outros especialistas para palestras antes das provas práticas”, orienta.

Tais práticas, segundo Marcia, podem se tornar, inclusive, estratégias de mercado.

“O instrutor e o CFC que prestarem atenção nas demandas e questões práticas e emocionais dos alunos passarão a oferecer diferencial pedagógico. Nesse sentido, não terão que se importar com a competitividade e concorrência”, evidencia.

Prova do Detran

Para a realização da prova do Detran, ocasião em que o estresse, a ansiedade e a insegurança são mais presentes, a especialista sugere a realização de uma palestra ou roda de conversa com o grupo de alunos antes da prova. Seja pela equipe do CFC ou psicólogos e outros especialistas convidados, seja presencial ou online. “No dia do exame, antes da prova, seria importante que esse mesmo profissional pudesse se reunir com os alunos e fazer algumas técnicas específicas de respiração diafragmática. Além disso, conversar e repassar orientações emocionais. Tudo isso deixa os alunos mais seguros e focados. E, também, os ajudaria a manter o foco mais alto do que o medo, a ansiedade e o nervosismo”, garante.

As próprias falas e diálogos dos instrutores com os alunos também ajudam a acalmar, complementa.

“Os alunos precisam de palavras positivas e não de críticas ou piadas sobre as suas dificuldades nessa hora. Não existe uma maneira única de se ensinar a dirigir. Cada aluno tem um perfil que precisa-se conhecer porque isso fornece pistas importantes que revelam fraquezas e pontos fortes emocionais dos alunos. Muitas vezes o estado emocional do aluno piora nas aulas até por conta de perdas importantes na família e amigos e o instrutor não fica sabendo. Essas pistas emocionais bem reconhecidas e aproveitadas podem facilitar o modo de ensinar e de aprender. Portanto, deve-se respeitar o perfil emocional de cada aluno para se extrair o melhor do modo de ensinar e de aprender”, reforça e finaliza.

 

 

Fonte: Portal do Trânsito

 

Written by softcia

Leave a comment